Quando a inserção IV parece impossível

April 18, 2018

Qualquer profissional médico com experiência hospitalar sabe quão crucial o acesso IV periférico pode ser. Levar os fluidos e medicamentos aos pacientes com doenças ou ferimentos graves é essencial para a efetividade do tratamento.

Na melhor situação, uma inserção difícil, isto é, quando um paciente tem veias que dificultam a inserção, representa um problema que envolve diversas picadas de agulha (com aumento de dor a cada tentativa), a frustração do paciente e da equipe médica e atraso no tratamento. Na pior das hipóteses, uma inserção difícil significa mais complicações clínicas na medida em que a desidratação se agrava e a eventual necessidade de uma linha venosa central, que embora eficaz, tem seus próprios riscos.

Um paciente pode apresentar inserção difícil por diversas razões, como desidratação, histórico de uso de drogas ou obesidade. Bebês abaixo do peso e prematuros são pacientes com difícil acesso IV periférico normal porque suas veias são muito pequenas. Tendo em conta a necessidade e a prevalência de IVs periféricos como parte do tratamento, não é de admirar que qualquer solução que facilite o acesso IV seria adotada com entusiasmo em praticamente qualquer situação.

 

Levar a inserção IV guiada por ultrassom a pacientes de difícil inserção é exatamente o que está acontecendo no Liverpool Hospital em Nova Gales do Sul, Austrália. Liderado pelo Dr. Evan Alexandrou, um novo protocolo para limitar o número de tentativas falhadas de inserção IV está sendo adotado por outros hospitais na área.

Em 2016, em um artigo publicado na BMC Nursing, o Dr. Alexandrou contou que 379 pacientes foram encaminhados para a equipe de suporte clínico do hospital depois do expediente para a inserção de um cateter sob orientação de ultrassom. Seu estudo descobriu que, em 93% dos casos, os enfermeiros conseguiram inserir um cateter com êxito na primeira tentativa. Ele também descobriu que a pontuação média de dor caiu de 7 de 10, sem o uso de ultrassom, para 2 de 10, após o encaminhamento.

Continue lendo no Sydney Morning Herald.

 


Saiba mais sobre o SonoSite SII

Anestesiologistas regionais incorporaram com alegria o SonoSite SII para ajudar a visualizar os nervos e a anatomia vascular ao inserir bloqueios regionais. Saiba como a qualidade de imagem aprimorada e os controles por toque do SII, combinados com as predefinições de exames de nervos para varredura rápida, fazem do SII uma excelente opção para anestesiologistas

Compartilhar