Ensino de anestesia geral orientada por ultrassom na Papua-Nova Guiné

February 05, 2019

Como defensora da expansão do uso do ultrassom no local de atendimento, a Dra. Yasmin Endlich é anestesista na Austrália e viaja regularmente para a Papua-Nova Guiné para oferecer treinamento aos médicos locais. Aqui, ela explica por que os bloqueios de nervos são um recurso essencial no repertório de um anestesista em áreas rurais.

"A Papua-Nova Guiné é um país de mais de 8 milhões de habitantes e tem menos de 30 anestesistas, e metade deles ainda está em treinamento. Não foi por acaso que conheci todos os anestesistas da Papua-Nova Guiné.

Este ano, o 54º simpósio médico foi realizado em Madang, na Papua-Nova Guiné. Mais de 600 delegações participaram, incluindo profissionais médicos e de enfermagem. O tema do evento foi saúde rural.

Levamos quatro máquinas de ultrassom SonoSite M-Turbo e tivemos o apoio da educadora de ecografia clínica, Lynette Hassal, da SonoSite Australia, e do diretor executivo da SonoSite Australia, Greg Luck, que até se ofereceu para ser modelo de ultrassom em um momento. Também viajaram conosco um especialista em anestesia, colega meu, meu registrador sênior, um dos nossos enfermeiros de anestesia e recuperação e minha família.

Realizamos oficinas com a sociedade de anestesiologia sobre técnicas de anestesia regional orientada por ultrassom, incluindo bloqueios de nervos periféricos, o bloqueio da coluna cervical e também sobre o uso de ultrassom para exames das vias respiratórias.

 

"Também realizamos uma oficina sobre bloqueio de nervos periféricos e bloqueios da coluna cervical na associação de médicos rurais. Então por que escolhemos os bloqueios de nervos periféricos, os bloqueios de coluna cervical e os exames das vias respiratórias como foco principal do treinamento?

01. Primeiro, a localização. A Papua-Nova Guiné tem um acesso muito limitado a suprimentos médicos, incluindo medicamentos e oxigênio suplementar. É inteligente tentar evitar o uso de anestesia geral para um procedimento cirúrgico em que um bloqueio regional do nervo já é suficiente.

02. A Papua-Nova Guiné tem uma taxa elevada de tuberculose resistente aos medicamentos, o que pode facilmente infectar as dependências. Fraturas ósseas são comuns devido a acidentes, quedas de palmeiras e altas taxas de violência. O bloqueio do nervo da coluna cervical oferece analgesia com excelência e segurança para esses pacientes, que podem precisar de admissão em UTIs — e quase não há UTIs no país. 

 

03. Aproximadamente 85% da população da Papua-Nova Guiné vive em áreas rurais, longe de um hospital. O isolamento combinado a diversos acidentes mostra como ser capaz de oferecer analgesia para fraturas ósseas é algo muito útil nesse ambiente.

04. A Papua-Nova Guiné tem a maior porcentagem de câncer bucal no mundo. A avaliação pré-operatória das vias respiratórias é de extrema importância. Infelizmente, equipamentos de tomografia e ressonância magnética praticamente não existem no país. Portanto, geralmente os anestesistas não são capazes de avaliar a extensão de cânceres orais e de pescoço. Não saber com o que você está lidando ao intubar um paciente pode representar um risco à vida. Além disso, muitos desses pacientes requerem uma traqueostomia; examinar a traqueia com ultrassom antes de tudo ajuda a evitar surpresas indesejadas e possibilita que os cirurgiões se prepararem para o caso específico de cada paciente.

O tema do encontro do ano que vem será "Educação Clínica" e esperamos poder continuar a oferecer ensino e treinamento para essa parte do mundo que é encantadora, mas infelizmente negligenciada.

 

Saiba mais sobre POCUS e anestesia 

Anestesiologistas e enfermeiros anestesistas cada vez mais estão usando a inserção da agulha orientada por ultrassom para melhorar a eficiência operacional e diminuir as complicações da inserção e o desconforto dos pacientes. Saiba mais sobre como o ultrassom no local de atendimento pode ajudar anestesiologistas e enfermeiros anestesistas e quais sistemas de ultrassom eles escolhem.

Compartilhar