O inovador programa escocês introduz o POCUS em ambulâncias rurais

November 07, 2017

Os sistemas de ultrassom a beira do leito (POC) M-Turbo da FUJIFILM SonoSite em breve estarão oferecendo diagnóstico pré-hospitalar por todas as Terras Altas da Escócia, como parte do experimento inovador SatCare. Esse estudo tem o objetivo de combinar ultrassom POC e comunicação avançada para possibilitar a interpretação remota de imagens e a tomada de decisões em uma variedade de condições de urgência.

O desenvolvimento de redes de dados móveis de alta velocidade transformou a telemedicina – o diagnóstico remoto e a direção do tratamento – trazendo melhores resultados para uma grande variedade de condições médicas. No entanto, muitas das soluções de telemedicina existentes contam com tecnologias de telecomunicação móvel 3G e 4G comerciais e são de pouca utilidade em comunidades rurais e áreas com baixa cobertura de rede móvel. 

 

"O SatCare pretende abordar essas questões combinando sistemas POCUS com comunicação via satélite para possibilitar a rápida sonografia e o diagnóstico remoto em locais isolados e áreas com muito tempo de viagem para os cuidados secundários.

Coordenado pelo Centro de Saúde Rural da Universidade de Aberdeen e fundado pela Agência Espacial Europeia, esse projeto colaborativo terá cinco ambulâncias equipadas com os sistemas M-Turbo da FUJIFILM SonoSite e personalizadas com sistemas de comunicação móvel via satélite ViaSat. 

A dra. Leila Eadie, pesquisadora no Centro de Saúde rural da Universidade, explicou que o ultrassom POC agora é amplamente considerado como uma ferramenta essencial no atendimento de emergência em um ambiente hospitalar. 

"Esperamos levar alguns desses benefícios a situações de uma emergência médica", contou a dra. Eadie. "Embora a implementação pré-hospitalar do ultrassom não seja algo novo, estudos anteriores destacaram que a maior barreira para seu uso efetivo é a interpretação das imagens de ultrassom. 

"Por outro lado, é necessário somente o mínimo de treinamento para possibilitar a obtenção de imagens com eficácia e a SatCare viabilizará a avaliação especialista remota das imagens coletadas pelos paramédicos*. Este projeto visa maximizar os benefícios disponíveis sem exigir dos paramédicos e técnicos de ambulância o treinamento extensivo em sonografia". 

"Trabalhando em parceria com o serviço de ambulância escocês, estamos treinando paramédicos de cinco estações de ambulância de High Lands para realizar exames de ultrassom predeterminados, projetados para fornecer o diagnóstico efetivo de uma série de condições críticas", explicou a Dra. Eadie. 

"As imagens são transmitidas em tempo real para um médico de emergência com experiência no hospital Raigmore – o maior hospital terciário de High Lands – para interpretação, em conjunto com um vídeo resumo da condição do paciente e qualquer histórico médico disponível. Isso elimina a responsabilidade pela análise de imagens da equipe da ambulância e possibilita ao médico oferecer suporte remoto às decisões, ajudando a orientar o tratamento pré-hospitalar do paciente", prosseguiu a Dra. Eadie. 

"O potencial dessa abordagem já foi demonstrado como parte de um estudo de viabilidade anterior. O ultrassom via satélite para acidente vascular cerebral em áreas rurais (SURS), combinou ultrassom no local de atendimento com sistemas de telecomunicação avançados em um esforço para possibilitar a avaliação rápida e antecipada de pacientes de derrame no local".

O Dr. Luke Regan, consultor em medicina de emergência no hospital Raigmore, traçou os potenciais benefícios clínicos dessa abordagem. 

"A medicina pré-hospitalar trata de equilibrar os riscos e os benefícios, geralmente em situações de emergência", disse o Dr. Regan. "Nossa intenção é criar analogias diretas de alguns dos algoritmos de ultrassom para diagnósticos já existentes nos departamentos de emergência dos hospitais – como os usados em pacientes com choque ou dor abdominal – em um ambiente pré-hospitalar.

"Decidimos concentrar esse estudo em uma série de condições potencialmente fatais – grandes traumas, dores no peito, faltas de ar, dores abdominais e choque hemodinâmico – que podem ter o benefício de diagnósticos precoces mais precisos", acrescentou. 

"Por exemplo, a grave falta de ar pode ser consequência de edema pulmonar, pneumonia, pneumotórax, DPOC ou até mesmo insuficiência cardíaca. Tentar determinar o o tratamento correto somente com base na apresentação clínica pode levar ao tratamento incorreto ou ineficaz. Mas se você realiza uma varredura de ultrassom no local e tem um especialista no hospital para interpretar as imagens, a equipe de ambulância terá um conhecimento mais abrangente da condição do paciente e será capaz de agir de acordo mesmo antes do paciente chegar ao hospital.

 

 

"As informações adicionais que esses exames fornecem também têm o potencial de afetar a gestão do paciente, assim que chega ao hospital. Por exemplo, pacientes podem ser redirecionados para um centro especializado ou levados diretamente para o cateterismo ou sala de operações sem a necessidade de triagem na chegada. Ao saber mais sobre as condições do paciente antes de chegarem, podemos ter os recursos adequados – cirurgiões, ginecologistas, produtos derivados de sangue, etc. – preparados para assegurar o tratamento mais eficaz.

"A escolha do sistema de ultrassom POC é crucial para o sucesso desse tipo de iniciativa", acrescentou Dr. Regan. "Precisamos de um instrumento que seja compacto e robusto o suficiente para uso em um ambiente de pré-hospitalar e que seja intuitivo para usar em uma situação de emergência de alta pressão. Tendo trabalhado com vários sistemas de ultrassom POC ao longo da minha carreira – incluindo em um ambiente pré-hospitalar como membro do serviço médico de emergência de helicóptero de Sydney, que usava equipamentos SonoSite – eu sabia que sistemas SonoSite eram ideais para esse contexto. 

"Os paramédicos que já treinamos até agora se acostumaram rapidamente com o uso do sistema M-Turbo, possibilitando obter rapidamente as imagens necessárias para diagnóstico remoto. O equipamento precisa de longevidade e resistência quando é usado por um serviço de ambulância movimentado, porque os exames de ultrassom devem ser encaixados perfeitamente nas práticas diárias das equipes de ambulância".

*Escopo médico prático pode varia por estado, país e/ou jurisdição local.

 

Confira nossa lista de reprodução de vídeos FOAMed sobre medicina de emergência e cuidados críticos

 

 

Compartilhar