Exame de imagens musculoesqueléticos

As evidências clínicas e as pesquisas apoiam o uso do ultrassom como primeiro teste de diagnóstico para diversas condições musculoesqueléticas (MSK). O ultrassom de diagnóstico oferece uma série de vantagens importantes em relação à tomografia (TC) e à ressonância magnética (IRM), em termos de segurança e eficácia.

Ultrassom é um exame de imagem não invasivo, mais barato e em tempo real

O ultrassom de diagnóstico não é invasivo e oferece imagens em tempo real, possibilitando exames de estruturas em repouso e em movimento. Essa capacidade de capturar o movimento dos componentes musculoesqueléticos diferencia o ultrassom de diagnóstico de outras modalidades de imagem e pode possibilitar diagnósticos mais precisos. Outras vantagens para seu paciente incluem a portabilidade, que permite a aplicação e interpretação no local de atendimento.

No entanto, por uma série de razões, ao longo do tempo os prestadores de serviços de saúde passaram a usar modalidades de exame de imagem mais caras. O uso de tais modalidades de imagem, como TC e IRM, em vez de alternativas de custo mais baixo, como ultrassom, podem não garantir resultados melhores e também podem aumentar o custo para o sistema de saúde e para os pacientes. 

“Ultrassom primeiro para MSK” pode economizar milhões de dólares

Só em 2009, a TC e IRM foram responsáveis por 95% das cobranças autorizadas pelo Medicare para todos os exames de imagem de extremidade. Apenas 5% foi para o ultrassom, o que é econômico e evita o risco inerente de exposição à radiação. Usar uma abordagem mais segura e econômica a exames de imagem faria sentido clínico para muitas doenças sem comprometer o tratamento. Um artigo de Parker et al., publicado em 2008, indica que a substituição do ultrassom MSK por IRM MSK, quando apropriada, levaria à economia de US$ 6,9 bilhões para o Medicare no período de 2006 a 2020.1

Distribuição das cobranças autorizadas pelo Medicare para exames de imagem de extremidade, 2005 a 2009 (somente serviços cobrados pela operadora)

 

      IRM conjunto da extremidade superior e inferior

      IRM da extremidade superior e inferior

      TC da extremidade superior e inferior

      Extremidade superior e inferior

Poupando dinheiro para o sistema de saúde nacional

Estimativas de redução nos gastos em Medicare em 2009 com a substituição do ultrassom de diagnóstico por exames de imagem TC e IRM (em milhões)

      Lesões no manguito rotador

      Lesões no tornozelo

Um relatório da KNG Health Consulting LLC2 descobriu que se o ultrassom fosse usado primeiro em um algoritmo de diagnóstico, o sistema de saúde nacional poderia ter uma economia significativa.

A análise da KNG dos dados do Medicare de 2009 mostrou que se o ultrassom fosse usado primeiro para diagnosticar apenas 30% de lesões no manguito rotador em vez de IRM ou TC, a economia teria excedido US$ 31 milhões

Usar o ultrassom primeiro em apenas 30% das lesões no tornozelo economizaria aproximadamente US$ 8 milhões.

Se o ultrassom fosse usado primeiro em 70% das avaliações de diagnóstico para ambos os casos, de lesões no manguito rotador e no tornozelo, a economia combinada para o Medicare teria sido de mais de US$ 91 milhões.

 

O que dizem os clientes da Sonosite MSK sobre o ultrassom para lesões no tendão

“O ultrassom no local de atendimento é a ferramenta perfeita para fazer a triagem de pacientes com problemas no ombro e cotovelo no cenário de diagnóstico primário. Um tendão rompido no ombro pode ser facilmente diagnostico, independentemente do tendão afetado.” Leia mais
Professor Markus Scheibel, Diretor do Departamento de Ombro e Cotovelo da Charité - Universitätsmedizin Berlin na Alemanha.


Referências de relatórios

1 Parker, et al.  Musculoskeletal imaging: Medicare use, costs, and potential for cost substitution.  Journal of American College of Radiology. 2008: 182:188.
2 Koenig L, Ruiz D, Cornejo A. Potential cost savings from the use of diagnostic ultrasound in the Medicare population. KNG Health Consulting LLC, 2011. Preparado para Sonosite, Inc.

Outras referências selecionadas

Smith TO, Back T, Toms AP, Hing CB. Diagnostic accuracy of ultrasound for rotator cuff tears in adults: A systematic review and meta-analysis. Clin Radiol. 2011; 5 (ePub).

Rogers CJ, Cianca J. Musculoskeletal ultrasound of the ankle and foot. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2010;21(3):549-57.

Allison SJ, Nazarian LN.Musculoskeletal ultrasound: evaluation of ankle tendons and ligaments. CAJR Am J Roentgenol. 2010;194(6):W514.

Morvan G, Busson J, Wybier M, Mathieu P. Ultrasound of the ankle. Eur J Ultrasound. 2001;14(1):73-82.

Swen WA, Jacobs JWG, Algra PR. Sonography and magnetic resonance imaging equivalent for the assessment of full-thickness rotator cuff tears. Arthritis Rheum. 1999;42:2231-2238. 

Page Category: