Vídeo 3D: cotovelo – aspecto anterior

O transdutor é colocado 8 sobre o antebraço proximal

sobre o antebraço proximal

9 00:00:25,830 --> 00:00:28,760 de maneira longitudinal com o marcador de orientação 10 00:00:28,760 --> 00:00:31,000 voltado para a cabeça do paciente. 11 00:00:31,000 --> 00:00:33,930 O epicôndilo lateral e a cabeça radial arredondada 12 00:00:33,930 --> 00:00:37,010 são vistos como linhas hiperecoicas brilhantes. 13 00:00:37,010 --> 00:00:38,840 O tendão extensor é visto 14 00:00:38,840 --> 00:00:41,200 como uma estrutura fibular hiperecoica 15 00:00:41,200 --> 00:00:44,090 que se insere na superfície do epicôndilo. 16 00:00:44,090 --> 00:00:46,400 A efusão articular pode ser vista, 17 00:00:46,400 --> 00:00:48,790 ao fundo do tendão extensor. 18 00:00:48,790 --> 00:00:51,410 O transdutor deve ser movido ligeiramente para baixo, ao longo do braço 19 00:00:51,410 --> 00:00:54,350 para avaliar o tendão e buscar calcificações, 20 00:00:54,350 --> 00:00:58,180 tendinose ou descontinuidades associadas a lesões. 21 00:00:58,180 --> 00:01:01,610 Depois, o transdutor é girado 90 graus em sentido anti-horário 22 00:01:01,610 --> 00:01:03,540 para se obter uma imagem transversal. 23 00:01:03,540 --> 00:01:07,580 O tendão extensor cobre a cabeça do rádio hiperecoico. 24 00:01:07,580 --> 00:01:09,510 A cartilagem articular pode ser vista 25 00:01:09,510 --> 00:01:13,340 como uma fina linha hiperecoica cobrindo o rádio. 26 00:01:13,340 --> 00:01:15,610 O transdutor deve ser movido distalmente 27 00:01:15,610 --> 00:01:18,550 para avaliar todo o espaço do tendão e da articulação 28 00:01:18,550 --> 00:01:21,173 para buscar indícios de corpos soltos ou rompimentos. "/>
Vídeo 3D: cotovelo – aspecto anterior